O crescimento de uma planta

Mesmo se à primeira vista temos a impressão que um vegetal desenvolve-se sem regra aparente, mecanismos específicos estão a obrar. Pode-se muito bem jardinar sem incomodar-se com estes mecanismos mas se os conhecer ajuda a compreender as plantas e portanto a ter êxito nas suas culturas !

 
Tudo começa com o rebento

Tudo começa com o rebento
Esta regra é uma das regras que sofre o menos de excepções no mundo vegetal : qualquer ramo, qualquer folha ou qualquer flor (e portanto qualquer fruto) nasceu de um rebento. O rebento constitua-se de folhas no estado muito reduzido, apertadas umas as outras, e que rodeam uma pequena zona invisível ao olho nu mas essencial : o meristema. Trata-se de uma zona onde as células da planta multiplicam-se de maneira muito activa para formar as folhas jovens. Mais tarde quando desenvolvendo-se, estas folhas vão trazer à sua axila um rebento e portanto outro meristema. Se estes rebentos desenvolve-se, o ramo ramifica-se. Se não, apenas vão alongar-se. De uma certa maneira, folha após folha, a planta constrói-se.

Numerosos factores condicionam a evolução dos rebentos. Em geral, enquanto um rebento desenvolve-se na extremidade do talo, proibe aqueles situados debaixo, pelo menos à proximidade, de desenvolver-se. É apenas quando o ramo cresceu bem que os rebentos situados na base podem começar a crescer. A quantidade de luz e de seiva que recebem os rebentos também tem uma grande importância.

O crescimento de uma planta

Sem saber, utiliza este mecanismo ! Quando pode uma planta, suprime o rebento terminal e obriga os rebentos que permanecem a começar enquanto eram inactivos. Na realidade, autoriza os rebentos a começar, dado que suprimiu a proibição que mantinha a extremidade do talo, que cortou. Nalguns vegetais, os rebentos inactivos saem dificilmente do seu torpor : uma lavanda ou um desespero do macaco (Araucaria) não supportam ser cortados demasiados curtos, enquanto outros vegetais suportam a poda.

 
Sinais para o jardineiro

Após a floração, os ramos callistémon continuam a crescer : a poda compromete portanto as futuras florações.

Sinais para o jardineiro
O meristema tem outras propriedades taõ interessantes como aquelas que vimos. Esta zona específica do rebento acaba por dar um rebento floral. Desaparece. Vê-se efectivamente que no rododendro, no lilás ou nas roseiras : a extremidade dos ramos que trazem uma flor não são prolongadas. São os rebentos, situados debaixo da flor, que seguem. Não prejudique quando cortar a flor murcha, senão vai proibir o ramo de começar de novo ! Há algumas excepções, raras, nas quais o rebento que deu flores contínua de crescer. O callistémon é o mais simples a observar, dado que das suas espigas escarlates emerge o ramo que continuará o talo. Cortar o talo compromete o bom desenvolvimento do arbusto! Isso acontece também com o tomate : em vez de terminar-se por um fruto, o cacho continua a crescer. Neste caso, pelo contrário, é necessário parar este crescimento que não é o bem vindo para favorecer o crescimento dos frutos.

 
O crescimento de uma planta

Pelo contrário, os rebentos florais dos rododendros não crescem de novo. São os rebentos situados debaixo que vão começar a crescer : ciudado a não partir quando limpar as flores murchas.

Por último, quando uma planta tem tendência a formar numerosas rejeições na base, é que a parte a mais alta perdeu do seu vigor. Pode ser o sinal de um problema se este comportamento não for nos hábitos da planta. É necessário então olhar de mais perto, e detectar um eventual problema enquanto for ainda tempo !

M. Jean-Michel GROULT
Pépinières PLANFOR
1950 Route de Cère
40090 UCHACQ - FRANCE
Tel : 214.245.101
Fax : 0033 558 064 854