Recuperar as águas da chuva

Dependendo da região na qual encontra-se o seu jardim, poderá recuperar para a utilização de 400 à 800 litros de água por ano e por m ² de telhado : vai fazer grandes economias na sua factura de água !

Os números (dados) indicados pelos fabricantes são muitas vezes superiores mas não se engane : são calculados para um telhado plano e recebendo todas as chuvas, o que não é o caso na prática. Seja como for, a recuperação das águas de chuva vale sempre a pena.

Colectar

Encontrará no comércio sistemas a ligar num algeroz, mais precisamente sobre o que se chama o tubo de descida. Os modelos sofisticados possuem um filtro que retem as folhas mortas, que deixa passar apenas uma água limpa. Se recuperar a água directamente à saída do tubo, vai colher a agua com as impurezas, que pode sujar a sua reserva de água. O risco não é de ter uma água turva mas mais de tapar o regador ou outro aparelho de rega ! Saíba também que pode muito bem regar com uma água que não é perfeitamente cristalina. Até “uma água enferrujada” pode servir, nas plantações robustas (coníferos, bambus…). Não é no entanto o ideal !

Armazenar (depositar)

Toda a dificuldade consiste a colectar a água no momento em que as necessidades do jardim são fracas, do outono até a primavera, para restituir às culturas o resto do tempo, quando a chuva falta. É necessário portanto prever uma cuba suficientemente volumosa para “fazer a soldadura” entre dois episódios chuvosos.

Nas regiões onde os verões são secos, encare uma cisterna de grande capacidade (até a 10m3, ou mais). Este tipo de cuba deve ser enterrada com a utilização de uma terraplanagem a efectuar à máquina escavadora. Trata-se de um verdadeiro investimento, que é amortizado ao longo de vários anos.

Nas regiões bem regadas, cisternas de pequena capacidade (1m3) serão suficientes para esperar a próxima chuva. Utilize uma cisterna destinada à recuperação de água de chuva e não reutilize um casco que continha substâncias perigosas. Não é somente… bidão mas potencialmente nocivo para sí e para o ambiente.

Certifique-se além disso que a cisterna instalada oferece-lhe a possibilidade de conhecer a quantidade de água que ela contém sem ter que adevinhar às cegas : um indicador de nível será uma opção apreciável.

Utilizar

Embora muitas vezes pensamos à capacidade da cisterna de armazenamento da água de chuva, pensa-se muito manos à forma como a água estará disponível. Uma vez a água na cuba, é necessário extrair-a para espalhar-a ao pé das plantas. Sem bomba ou sistema de pressurização, vai muito depressa se cansar de regar ao regador, mesmo se tem também suas vantagens !

Uma bomba é portante necessário. Existe kits (conjuntos) completos, que não somente têm uma bomba mas fornecem água sob pressão, como à que escorre da torneira. Poderá então utilizar esta água nos sistemas de irrigação (tubos, regadores, etc.), que precisam de uma certa pressão para funcionar.

Uma cuba em boa saúde (em bom estado)

No ideal, será necessário purgar a cisterna cada ano, antes do outono. A água da chuva veicula sempre fragmentos (bocados) (pedaços de folhas, raminhos, insectos, etc.), a formação de lodo no fundo é inevitável. Isto é ainda mais verdadeiro se árvores encontram-se à proximidade ou se o telhado for musgoso. Na região fria, as cubas não enterrados podem completamente congelar durante invernos rigorosos : tem que as esvaziar para evitar que rachem-se sob o efeito do gelo.

M. Jean-Michel GROULT
 
Pépinières PLANFOR
1950 Route de Cère
40090 UCHACQ - FRANCE
Tel : 214.245.101
Fax : 0033 558 064 854